Java - Lista de Exercícios Resolvidos (Algorítmos Resolvidos) - Estruturas de Controle

Mais Dicas e Truques de Programação

Delphi ::: Imagens, Gráficos e Cores ::: TBitmap (A classe TBitmap)

Computação gráfica em Delphi - Como usar a classe TBitmap do Delphi

Quantidade de visualizações: 14171 vezes
A classe TBitmap encapsula um bitmap Windows (HBITMAP, um handle para um bitmap), incluindo sua paleta (HPALETTE, um handle para uma paleta de cores).

Esta classe herda de TGraphic e é usada para criar, manipular (redimensionar, rolar, rotacionar, pintar, etc) e armazenar imagens na memória e como arquivos em disco.

A classe TBitmap contém muitas propriedades e métodos úteis. Entre seus métodos podemos citar LoadFromFile(), usado para carregar uma imagem bitmap a partir do disco e guardá-la em memória como um objeto TBitmap. Veja o trecho de código abaixo:

procedure TForm2.Button1Click(Sender: TObject);
var
  bmp: TBitmap;
begin
  // vamos criar o bitmap
  bmp := TBitmap.Create;

  // vamos carregar a imagem e guardá-la no bitmap
  bmp.LoadFromFile('foto.bmp');

  // vamos desenhar o bitmap no formulário
  // começando nas coordenadas x = 0; y = 0 a partir
  // do canto superior esquerdo da área cliente do formulário
  Form2.Canvas.Draw(0, 0, bmp);

  // vamos liberar o bitmap
  bmp.Free;
end;

Aqui nós carregamos o bitmap foto.bmp e o desenhamos na superfície do formulário usando o método Draw() do Canvas do formulário.

É possível também redimensionar o bitmap ao desenhá-lo no formulário. Veja este novo trecho de código:

procedure TForm2.Button1Click(Sender: TObject);
var
  bmp: TBitmap;
  retang: TRect; // um objeto TRect
begin
  // vamos criar o bitmap
  bmp := TBitmap.Create;

  // vamos carregar a imagem e guardá-la no bitmap
  bmp.LoadFromFile('foto.bmp');

  // vamos redimensionar o bitmap na memória de
  // acordo com o retângulo abaixo
  retang.Top := 0;
  retang.Left := 0;
  retang.Right := 200;
  retang.Bottom := 150;

  // vamos desenhar o bitmap usando o método
  // StretchDraw da classe TCanvas
  Form2.Canvas.StretchDraw(retang, bmp);

  // vamos liberar o bitmap
  bmp.Free;
end;

Aqui nós usamos um objeto do registro (record) TRect para criar um retângulo especificando o tamanho do bitmap e fornecemos tal retângulo, juntamente com o bitmap, para o método StretchDraw() da classe TCanvas. Este método redimensiona a imagem antes de desenhá-la na superfície do formulário.

Para fins de compatibilidade, esta dica foi escrita usando Delphi 2009.


jQuery ::: Dicas & Truques ::: Manipulação e Conteúdo Dinâmico

jQuery para iniciantes - Como obter valores de elementos de formulários HTML usando a função val() do jQuery

Quantidade de visualizações: 7089 vezes
Nesta dica eu mostro como podemos usar o método val() da biblioteca jQuery para obter o conteúdo dos elementos de formulários HTML.

Veja, por exemplo, como obter o conteúdo de uma caixa de texto com o id "nome":

<script type="text/javascript">
<!--
  function obterTexto(){
    var texto = $('#nome').val();
    window.alert(texto);
  }
//-->
</script>

Lembre-se de que este método atuará apenas no primeiro da possível série de elementos retornados sob uma determinada condição.

O retorno val() do jQuery é uma string.


Java ::: Classes e Componentes ::: JTextArea

Java Swing - Como salvar o conteúdo de um JTextArea em um arquivo (usando um JFileChooser para localizar o diretório e arquivo)

Quantidade de visualizações: 14174 vezes
Nesta dica mostrarei como é possível como salvar o conteúdo de um JTextArea em um arquivo texto. Essa operação é muito frequente em aplicações Java Swing. Note que faremos uso de um JFileChooser para localizar o arquivo no qual o conteúdo será gravado, ou poderemos informar o nome do arquivo.

Observe também o uso do método write() da classe FileWriter para escrever o conteúdo no arquivo. Para finalizar, perceba que não fiz os devidos tratamentos de erros e as mensagens de sucesso das operações e coisas. Fica como exercício para você finalizar.

Veja o código completo:

package arquivodecodigos;

import javax.swing.*;
import java.awt.*;
import java.awt.event.*;
import java.io.*;
 
public class Estudos extends JFrame{
  JTextArea textArea;
  JButton btn;
 
  public Estudos() {
    super("Salvando o conteúdo de um JTextArea em um arquivo");
    Container c = getContentPane();
    FlowLayout layout = new FlowLayout(FlowLayout.LEFT);
    c.setLayout(layout);
     
    textArea = new JTextArea(10, 20);
    textArea.setLineWrap(true);
     
    btn = new JButton("Salvar Arquivo");
    btn.addActionListener(
      new ActionListener(){
        public void actionPerformed(ActionEvent e){
          JFileChooser fc = new JFileChooser();
       
          if(fc.showSaveDialog(Estudos.this) != JFileChooser.APPROVE_OPTION){
            return;
          }
             
          File arquivo = fc.getSelectedFile();
          if(arquivo == null){
            return;
          }
 
          FileWriter writer = null;
          try {
            writer = new FileWriter(arquivo);
            writer.write(textArea.getText());
          } 
          catch(IOException ex){
            // Possiveis erros aqui
          } 
          finally {
            if(writer != null){
              try{
                writer.close();
              } 
              catch (IOException x){
                // trate os erros aqui   
              }
            }
          }
        }
      }
    );
        
    c.add(textArea);
    c.add(btn);
     
    setSize(350, 250);
    setVisible(true);
  }
   
  public static void main(String args[]){
    Estudos app = new Estudos();
    app.setDefaultCloseOperation(JFrame.EXIT_ON_CLOSE);
  }
}



Java ::: Classes e Componentes ::: JTextArea

Java Swing - Como ler as linhas de texto de um JTextArea uma de cada vez

Quantidade de visualizações: 11137 vezes
Nesta dica veremos como ler as linhas de um controle JTextArea do Java Swing individualmente, ou seja, uma linha de cada vez. Para isso nós vamos usar os método getLineStartOffset() e getLineEndOffset() da classe JTextArea para acessar suas linhas separadamente.

Veja o resultado na imagem abaixo:



E aqui está o código Java Swing completo para a dica:

package arquivodecodigos;

import javax.swing.*;
import javax.swing.text.*;
import java.awt.*;
import java.awt.event.*;
 
public class Estudos extends JFrame{
  JTextArea textArea;
  JButton btn;
 
  public Estudos() {
    super("Lendo as linhas de um JTextArea");
    Container c = getContentPane();
    FlowLayout layout = new FlowLayout(FlowLayout.LEFT);
    c.setLayout(layout);
     
    textArea = new JTextArea(10, 20);
    textArea.setLineWrap(true);
     
    btn = new JButton("Ler Linhas");
    btn.addActionListener(
      new ActionListener(){
        @Override
        public void actionPerformed(ActionEvent e){
          int quant = textArea.getLineCount();
             
          for(int i = 0; i < quant; i++){
            try{
              int inicio = textArea.getLineStartOffset(i);
              int fim = textArea.getLineEndOffset(i);
              String linha = textArea.getText(inicio, fim - inicio);
              JOptionPane.showMessageDialog(null, "Linha " + 
                (i + 1) + " = " + linha);
            }
            catch(BadLocationException ble){
              // possiveis erros são tratados aqui
            } 
          }    
        }
      }
    );
        
    c.add(textArea);
    c.add(btn);
     
    setSize(350, 250);
    setVisible(true);
  }
   
  public static void main(String args[]){
    Estudos app = new Estudos();
    app.setDefaultCloseOperation(JFrame.EXIT_ON_CLOSE);
  }
}



C# ::: Dicas & Truques ::: Programação Orientada a Objetos

C# para iniciantes - Programação orientada a objetos em C#: Classes, objetos, métodos e variáveis de instância

Quantidade de visualizações: 29307 vezes
A melhor forma de entender a programação orientada a objetos é começar com uma analogia simples. Suponha que você queira dirigir um carro e fazê-lo ir mais rápido pressionado o acelerador. O que deve acontecer antes que você seja capaz de fazer isso? Bem, antes que você possa dirigir um carro, alguém tem que projetá-lo. Um carro geralmente começa com desenhos feitos pelos engenheiros responsáveis por tal tarefa, tal qual a planta de uma casa. Tais desenhos incluem o projeto de um acelerador que possibilita ao carro ir mais rápido. O pedal do acelerador "oculta" os mecanismos complexos responsáveis por fazer o carro ir mais rápido, da mesma forma que o pedal de freio "oculta" os mecanismos que fazem o carro ir mais devagar e o volante "oculta" os mecanismos que fazem com que o carro possa virar para a direita ou esquerda. Isso permite que pessoas com pequeno ou nenhum conhecimento de motores possam facilmente dirigir um carro.

Infelizmente, não é possível dirigir o projeto de um carro. Antes que possamos dirigí-lo, o carro deve ser construído a partir do projeto que o descreve. Um carro já finalizado tem um pedal de aceleração de verdade, que faz com que o carro vá mais rápido. Ainda assim, é preciso que o motorista pressione o pedal. O carro não acelerará por conta própria.

Agora vamos usar nosso exemplo do carro para introduzir alguns conceitos de programação importantes à programação orientada a objetos. A execução de uma determinada tarefa em um programa exige um método. O método descreve os mecanismos que, na verdade, executam a tarefa. O método oculta tais mecanismos do usuário, da mesma forma que o pedal de aceleração de um carro oculta do motorista os mecanismos complexos que fazem com que um carro vá mais rápido. Em C#, começamos criando uma unidade de programa chamada classe para abrigar um método, da mesma forma que o projeto de um carro abriga o design do pedal de acelerador. Em uma classe fornecemos um ou mais métodos que são projetados para executar as tarefas da classe. Por exemplo, a classe que representa uma conta bancária poderia conter muitos métodos, incluindo um método para depositar dinheiro na conta, outro para retirar dinheiro, um terceiro para verificar o saldo, e assim por diante.

Da mesma forma que não podemos dirigir o projeto de um carro, nós não podemos "dirigir" uma classe. Da mesma forma que alguém teve que construir um carro a partir de seu projeto antes que pudessémos dirigí-lo, devemos construir um objeto de uma classe antes de conseguirmos executar as tarefas descritas nela.

Quando dirigimos um carro, o pressionamento do acelerador envia uma mensagem ao carro informando-o da tarefa a ser executada (neste caso informando-o de que queremos ir mais rápido). Da mesma forma, enviamos mensagens aos objetos de uma classe. Cada mensagem é uma chamada de método e informa ao objeto qual ou quais tarefas devem ser executadas.

Até aqui nós usamos a analogia do carro para introduzir classes, objetos e métodos. Já é hora de saber que um carro possui atributos (propriedades) tais como cor, o número de portas, a quantidade de gasolina em seu tanque, a velocidade atual, etc. Tais atributos são representados como parte do projeto do carro. Quando o estamos dirigindo, estes atributos estão sempre associados ao carro que estamos usando, e cada carro construído a partir do projeto sofrerá variações nos valores destes atributos em um determinado momento. Da mesma forma, um objeto tem atributos associados a ele quando o usamos em um programa. Estes atributos são definidos na classe a partir da qual o objeto é instanciado (criado) e são chamados de variáveis de instância da classe.

Veremos agora como definir uma classe em C# e usar um objeto desta classe em um programa. Se estiver usando o Visual C# 2005 ou 2008, a forma mais comum de adicionar uma classe ao seu projeto é clicando com o botão direito no namespace do projeto (o primeiro filho do solution explorer) e escolhendo a opção Add -> Class. Em seguida dê o nome "Cliente.cs" para a classe e clique o botão Add. Imediatamente o código inicial para a classe será exibido, contendo o namespace e alguns using padrões. Agora faça sua classe Cliente parecida com o código abaixo (não altere nada em relação ao namespace):

class Cliente{
  private String nome;

  // Um método que permite definir um valor
  // para a variável privada nome
  public void setNome(String nome){
    this.nome = nome;
  }

  // Um método que permite obter o valor
  // da variável privada nome
  public String getNome(){
    return this.nome;
  }
}

Agora vamos aprender a usar esta classe a partir da classe principal do programa (aquela que contém o método Main). Veja:

static void Main(string[] args){
  // Cria uma instância da classe Cliente
  Cliente c = new Cliente();

  // Define um nome para o cliente
  c.setNome("Osmar J. Silva");

  // Obtém o nome do cliente
  string nome = c.getNome();
  Console.WriteLine(nome);

  Console.WriteLine("\n\nPressione uma tecla para sair...");
  Console.ReadKey();
}



Java ::: Pacote java.awt.image ::: BufferedImage

Como desenhar um BufferedImage em um JComponent do Java

Quantidade de visualizações: 10137 vezes
Neste exemplo nós usamos o método drawImage() da classe Graphics para desenhar o conteúdo de um BufferedImage (que contém uma imagem JPG) em uma JFrame do Java Swing:

import java.awt.*;
import java.io.*;
import java.awt.image.*;
import java.awt.event.*;
import javax.swing.*;
import javax.imageio.*;

public class Estudos extends JFrame{
  private BufferedImage imagem;
  
  public Estudos(){
    super("Estudos Java");
    
    Container c = getContentPane();
    c.setLayout(new FlowLayout());
	
    JButton btn = new JButton("Carregar Imagem");
    btn.addActionListener(
      new ActionListener(){
        public void actionPerformed(ActionEvent e){
          imagem = null;
          
          try{
            imagem = ImageIO.read(
              new File("imagens/fundo.jpg"));
          }
          catch(IOException exc){
            JOptionPane.showMessageDialog(null, 
              "Erro ao carregar a imagem: " + 
              exc.getMessage());
          }

          if(imagem != null){
            desenhar();   
          }
        }
      }
    );

    c.add(btn);
    	
    setSize(400, 300);
    setVisible(true);
  }

  public void desenhar(){
    // desenha a imagem no JFrame
    Graphics g = getGraphics();   
    g.drawImage(imagem, 0, 0, this);
  }
  
  public static void main(String args[]){
    Estudos app = new Estudos();
    app.setDefaultCloseOperation(JFrame.EXIT_ON_CLOSE);
  }
}



Java ::: Dicas & Truques ::: Expressões Regulares

Java Expressões Regulares - Como substituir todas as ocorrências de uma substring em uma string usando expressões regulares

Quantidade de visualizações: 8332 vezes
Este exemplo mostra como substituir todas as ocorrências de uma substring em uma string usando expressões regulares na linguagem Java.

Nesta dica nós substituimos todas as ocorrências de "Java" por "C++".

Veja o código completo:

package arquivodecodigos;

import java.util.regex.*;
 
public class Estudos{ 
  public static void main(String args[]){ 
    String padrao = "Java";
    Pattern regPat = Pattern.compile(padrao);
    String frase = "Java? Gosto muito de Java.";
    System.out.println("Frase original: " + frase);
    Matcher matcher = regPat.matcher(frase);
    String res = matcher.replaceAll("C++");
    System.out.println("Depois da substituição: " + res);
  } 
} 

Ao executarmos este código Java nós teremos o seguinte resultado:

Frase original: Java? Gosto muito de Java.
Depois da substituição: C++? Gosto muito de C++.


Java ::: Coleções (Collections) ::: ArrayList

Como usar o método contains() da classe ArrayList do Java para testar se um valor está contido na lista

Quantidade de visualizações: 17409 vezes
Em algumas situações nós queremos verificar se um determinado valor está contido em um dos elementos da ArrayList. Para isso nós podemos usar o método contains(), que retorna true se o valor existir e false em caso contrário.

Veja um exemplo de seu uso:

package estudos_java;

import java.util.ArrayList;

public class Estudos{
  public static void main(String[] args){
    // cria uma ArrayList que conterá inteiros
    ArrayList<Integer> valores = new ArrayList<>();
    
    // adiciona itens na lista
    valores.add(34);
    valores.add(12);
    valores.add(8);
    valores.add(23);
    	
    // Verifica se um determinado 
    if(valores.contains(12)){
      System.out.println("O valor foi encontrado.");
    }
    else{
      System.out.println("O valor não foi encontrado.");
    } 

    System.exit(0);
  }
}

Ao executar este código Java nós teremos o seguinte resultado:

O valor pesquisado foi encontrado.


C ::: Dicas & Truques ::: Arrays e Matrix (Vetores e Matrizes)

Tenha cuidado com os limites dos índices de um vetor ou matriz na linguagem C

Quantidade de visualizações: 8630 vezes
Um erro muito comum em programas C ocorre quando não atentamos para os limites dos índices de um vetor ou matriz. Como sabemos, os índices iniciam em 0 e vão até o tamanho do vetor menos 1. Porém, ao contrário de outras linguagens, o C (compiladores sendo usados em 2007 e 2008) não evita que este limite seja ultrapassado. O resultado disso é que o programa acaba lendo posições de memória inexistentes ou pertecentes a outros programas.

Veja um trecho de código no qual acessamos uma posição inválida no vetor valores. Este código foi testado no MinGW 3.4.2 e compilou e executou sem qualquer mensagem de advertência.

#include <stdio.h>
#include <stdlib.h>
 
int main(int argc, char *argv[])
{
  // array com 5 inteiros
  int valores[] = {23, 6, 45, 9, 3};
 
  // acessa um índice além dos limites do array
  // lembre-se de que os índices iniciam em 0
  int valor = valores[5];
 
  // exibe o resultado
  printf("%d\n\n", valor);
 
  system("PAUSE");
  return 0;
}

Ao executar este código nós teremos o seguinte resultado (o seu vai ser diferente, é claro):

-858993460

Minha recomendação é: se você quer mesmo programar na linguagem C, crie uma forma de impedir o acesso à índices inválidos. Se isso acontecer, os resultados exibidos pelos seus programas poderão ser realmente inesperados.


R ::: Fundamentos da Linguagem ::: Variáveis e Constantes

Quais são as palavras reservadas da linguagem R

Quantidade de visualizações: 346 vezes
As palavras reservadas, ou palavras-chaves, de uma linguagem de programação são um conjunto de palavras e símbolos que possuem significado especial dentro da linguagem, em seu interpretador ou compilador. Estas palavras não podem ser usadas como identificadores de funções, nomes de variáveis, constantes, nomes de classes, etc.

A linguagem R, no momento que escrevo este texto, possui as seguintes palavras reservadas:

if              else         repeat
while           function     for
in              next         break
TRUE            FALSE        NULL
Inf             NaN          NA
NA_integer_     NA_real_     NA_complex_
NA_character_   …


A qualquer momento nós podemos listas estas palavras reservadas, seja na janela de comandos ou em um script do R. Basta disparmos os comandos abaixo:

> ?reserved [ENTER]
> help(reserved) [ENTER]
> 

Entre essas palavras reservadas, if, else, repeat, while, function, for, in, next e break são usadas para os testes condicionais, laços e funções definidas pelo usuário. São estas palavras que formam a estrutura básica da linguagem R.

As palavras TRUE e FALSE são as constantes lógicas em R.

NULL representa a ausência de um valor, ou um valor indefinido (ainda não houve atribuição).

A palavra reservada Inf significa "Infinity". Por exemplo, quando 1 é dividido por 0, enquanto NaN quer dizer "Not a Number" (não é um número). Um exemplo disso é quando dividimos 0 por 0.

NA significa "Not Available" e é usada para representar valores não informados.

A linguagem R é sensível a maiúsculas e minúsculas. Isso quer dizer que TRUE e True não são a mesma coisa. Enquanto TRUE é uma palavra reservada representando uma constante lógica, True pode ser usada como um nome de variável.

Carregar Publicações Anteriores


Quem Somos

Osmar J. Silva
Programador Freelancer
WhatsApp +55 (062) 98553-6711

Goiânia-GO
Programador Freelancer - Full Stack Developer, Professional Java Developer, PHP, C/C++, Python Programmer, wxWidgets Professional C++ Programmer, Freelance Programmer. Formado em Ciência da Computação pela UNIP (Universidade Paulista Campus Goiânia) e cursando Engenharia Elétrica pela PUC-Goiás. Possuo conhecimentos avançados de Java, Python, JavaScript, C, C++, PHP, C#, VB.NET, Delphi, Android, Perl, e várias tecnologias que envolvem o desenvolvimento web, desktop, front-end e back-end. Atuo há mais de 15 anos como programador freelancer, atendendo clientes no Brasil, Portugal, Argentina e vários outros paises.
Entre em contato comigo para, juntos, vermos em que posso contribuir para resolver ou agilizar o desenvolvimento de seus códigos.
José de Angelis
Programador Freelancer
WhatsApp +55 (062) 98243-1195

Goiânia-GO
Programador Freelancer - Formado em Sistemas de Informação pela Faculdade Delta, Pós graduado em Engenharia de Software (PUC MINAS), Pós graduado Marketing Digital (IGTI) com ênfase em Growth Hacking. Mais de 15 anos de experiência em programação Web. Marketing Digital focado em desempenho, desenvolvimento de estratégia competitiva, analise de concorrência, SEO, webvitals, e Adwords, Métricas de retorno. Especialista Google Certificado desde 2011 Possui domínio nas linguagens PHP, C#, JavaScript, MySQL e frameworks Laravel, jQuery, flutter. Atualmente aluno de mestrado em Ciência da Computação (UFG)
Não basta ter um site. É necessário ter um site que é localizado e converte usuários em clientes. Se sua página não faz isso, Fale comigo e vamos fazer uma analise e conseguir resultados mais satisfatórios..

Linguagens Mais Populares

1º lugar: Java
2º lugar: C#
3º lugar: Delphi
4º lugar: PHP
5º lugar: Python
6º lugar: JavaScript
7º lugar: C
8º lugar: C++
9º lugar: VB.NET
10º lugar: JSP (Java Server Pages)



© 2021 Arquivo de Códigos - Todos os direitos reservados | Versión en Español | Versão em Português